Intrometido

16 de novembro de 2016

Ricardo Coutinho “come ovo e arrota caviar” em encontro com Temer

Viva a Paraíba! Nesta quarta-feira (16) vi jornalistas criticarem a postura crítica de alguns colegas sobre a visita do governador, Ricardo Coutinho (PSB), ao presidente da República, Michel Temer (PMDB). Pra começar, quem são eles pra falar de nós? É proibido dizer que a agenda do presidente sequer tinha o nome do governador? É crime revelar que Ricardo “se escalou” na agenda do senador Raimundo Lira?

Ricardo bem que tentou parecer humilde, em entrevista a Rádio Correio da Paraíba, mas depois de 15 minutos falando baixinho, resolveu “incorporar a postura de grande líder dos girassóis” e tentou sair da entrevista com a pecha de ter criticado a reforma no ensino médio, o rebaixamento da Paraíba, o PEC 241 e etc,…, quando na verdade foi a Brasília para fazer o que TODO GESTOR FAZ, pedir. Sim, Ricardo foi a Brasília pedir humildemente ao presidente que há pouco tempo chamava de golpista. Ainda se saiu com esta: “Não sou como umas figurinhas que trabalham pelo quanto pior, melhor. Não sou mesquinho, reacionário, quero o bem do estado que tenho a honra de governar, não posso aceitar que alguns tentem jogar o estado no isolamento, sabotar os interesses da Paraíba. Converso com todos aqueles que têm a responsabilidade de defender os nossos interesses. Eu destaco o papel do senador Raimundo Lira que desde o início tem demonstrado compromisso de ajudar o governo, a superar obstáculos”.

Pediu dinheiro para obras, pediu para não ficar com o nome sujo, pediu um pouquinho daqui, um pouquinho dali e tentou sair como superior, mas pela enésima vez quando teve a oportunidade de construir a paz com a bancada paraibana, partiu contra seus próprios deputados. Alguém pode lembrar Coutinho que há federais que apoiam seu governo?

Em resumo, Luís Tôrres, João Azevedo e Ricardo Coutinho voltam de Brasília depois de entrar em uma festa em que seus nomes sequer constavam na lista de convidados e se não mostrarem alguma humildade, dificilmente terão alguma chance de lograr êxito nos pleitos…

Ricardo Coutinho disse ainda que sugeriu ao presidente a liberação dos recursos oriundos das multas da repatriação, atendendo a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). “É um gesto de cultivo de boas relações de se antecipar com a liberação dos recursos que já estão em depósito judicial”, falou.

Se queixou do rebaixamento da nota do Estado: “Discutimos a capacidade de empréstimo do estado. Não era justo com a Paraíba, um estado que não paralisou nenhuma obra, paga suas contas em dia, mesmo com as dificuldades crescentes, ficar impedido de contrair empréstimos. O presidente ficou de chamar o ministro da Fazenda nas próximas horas para discutir esse assunto”, explicou.

O terceiro eixo da transposição do Rio São Francisco foi mais um pedido levado pelo governador ao presidente.

“Esse foi o compromisso assumido em 2014 que balizou o meu apoio à chapa Dilma-Temer. É uma obra de R$ 200 milhões que seria feita pela União, bem como o sistema adutor da Borborema”, falou.

O socialista solicitou ainda recursos para manutenção do Hospital de Oncologia de Patos, que já está concluído, e deve atender pacientes de outros estados, como o Ceará e o Rio Grande do Norte, e ajuda para equipar o Hospital Metropolitano de Santa Rita, onde o estado investiu mais de R$ 50 milhões e o governo federal repassou R$ 22 milhões. “Seria uma compensação”, avaliou.

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar